quarta-feira, 26 de julho de 2017



Aos "orfãos" de Tom Jobim, - como este que vos escreve - gostaria de dizer para se "acalmarem", pois nem tudo está perdido: caso não saibam, ele deixou pelo menos três discípulos diretos que levaram o bastão do seu estilo adiante, e com muita catega e responsa! Vamos aos grandes!

1- Eduardo Gudin: um dos papas do movimento oitentista Lira Paulistana. Ouçam o seu ótimo disco "Balãozinho" (1986), e também "Eduardo Gudin & Notícias dum Brasil" (2006), "Luzes da mesma luz" (2001),"Eduardo Gudin & Vânia Bastos" (1989);

2- Nelson Ângelo: esse, um verdadeiro monstro da MPB, tremendo e diversificado compositor, que, infelizmente, poucos conhecem sua refinada obra. É espantoso que um artista desse quilate seja praticamente desconhecido no país! O estilo Jobim pode ser ouvido nos discos: "Times Square" (2014), "A Vida Leva" (1994), "Coisas de baladas" (2015), "Canções adultas" (2005).

3- Mário Adnet: ótimo compositor e, como Nelson Ângelo, com um trabalho diversificado. Além de compor dentro do consagrado estilo, tem discos com ótimas de releituras do mestre. Ouvir: "Rio Carioca" (2002), "Mvsica" (2006), "Pedra Bonita" (1995) e "Para Gershwin & Jobim" (1999).

* Obs.: são as músicas mais refinadas que se possa imaginar, coisas de gente do 1º escalão da MPB.


Nenhum comentário:

Postar um comentário