sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

INTERPRETES: MAIS RESPEITO COM A CRIAÇÃO MUSICAL ALHEIA!

Fico chateado (para não dizer puto...) quando, assistindo um programa musical, como por exemplo o Voice Brasil ou o Raul Gil, vejo os novos cantores interpretando músicas consagradas de grandes autores e se atrevem a alterar a linha melódica (a parte cantada) como se a música fossem deles. Nisto, enchem-na de floreios inexistentes e, o pior, cometem o sacrilégio de alterar os tons originais onde podem e bem entendem, deturpando a melodia original. Há quem ache que esteja melhorando a canção, ou, pelo menos, fazendo uma grande interpretação... Não importa se o interprete seja da opinião que determinado trecho da música não é bom e devia ter a melodia que ele tem em mente e acha melhor e, assim, a interpreta baseado nisso - a melodia gravada pelo autor ou seja, a que foi registrada no órgão competente, como a Biblioteca Nacional (BN), é a original e deve ser terminante e invariavelmente respeitada, seguido-se à risca o original durante a execução. Lembremos, no entanto - e infelizmente -, que os próprios autores incorrem nesse erro e às vezes fazem essas "recriações" em apresentações ao vivo ou em reagravações, o que eu acho um ultraje com a própria obra, um desrespeito com a própria criação. 

Apesar de, geralmente, eu achar a gravação original a melhor (e sagrada), pode fazer o arranjo que for, mas a linha melódica não pode ser alterada em hipótese alguma, pois ela é como a espinha dorsal de uma música, e ninguém pode alterar sua estrutura, extraindo ou colocando um osso a mais ali. Uma coisa é um novo arranjo para música; outra totalmente diferente é querer alterar a melodia original. 

Deveria haver uma proibição por lei impedindo os intérpretes de cantarem um sucesso alterando a linha melódica ao seu bel-prazer; aliás, isso deveria se coisa passível de processo. Ou grava como manda o figurino ou seja impedido de gravar caso pretenda fazer alterações na melodia. Lembremos que quando uma música nova é registrada na BN, a letra vai acompanhada da partitura onde é registrada a linha melódica, que em suma, é a essência da canção. Na música clássica, por exemplo, tudo o que foi criado e arranjado pelo autor é intocável e eterno, e a interpretação deve ser a mesma não importa, por exemplo, a sinfônica que a execute, embora as interpretações variem de uma sinfônica para outra, seja devido à qualidade de execução dos músicos, seja pelo talento ou deficiência de cada um e também da inspiração.

Assim sendo, amigos, se coloquem então na pele do autor e imaginem alguém alterando sua amada criação musical, e veja como você se sentiria.
.
.


Nenhum comentário:

Postar um comentário