quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

UM OVNI, DO TIPO SONDA, QUE FOTOGRAFEI SEM TÊ-LO VISTO!


Dia 3 de setembro do ano passado, 2012, fui fazer algumas fotos noturnas na zona rural do lado norte da cidade de Leme (SP), numa estrada além do bairro São Bento, da vizinha cidade de Araras. Estava eu do lado nordeste da fazenda Lagoa Funda (22°14'5.74"S, 47°21'37.23"O), e o motivo principal das fotos naquele momento era esta fazenda e suas luzes. Para minha decepção, ao abrir as fotos em meu computador na mesma noite, notei ficaram todas desfocadas e os ruídos (granulações) muito acentuados. Mas algo chamava a atenção nas quatro tomdas que fiz: uma luz verde-azulada que eu não vi enquanto fotografava, e ao analisá-la, tudo levava a crer que se tratava de um OVNI. Tinha um caminhão na fazenda com os faróis acesos, de cor laranja, o que me chamou a atenção à princípio. A grande luz amarela era uma luz externa, talvez de alguma parede da fazenda. Já a pequena luz verde-azulada no céu é o suposto OVNI, que parece ser do tipo sonda, portanto de pequenas dimensões. Ao que parece, ele saiu do lugar onde fica a lagoa situada ao lado da fazenda, talvez imergido dela. Não se ouviu ruído algum no céu durante as tomadas. É comum este tipo de aperelho estar associado à cursos d'água.

Por sorte, sempre quando fotografei o objeto estava parado no céu, mas a sequência das fotos revela que se moveu sutilemente no céu no intervalo entre as tomadas.

Eu e um grupo de amigos vimos um aperelho desses passando sobre nós na Usina Palmeiras (há cerca de 8 quilômetros da fazenda Lagoa Funda) nas férias de 1976. Tinha uns 30 cm de diâmetro e atrás dele havia uma pequena cauda azulada! Notar que o OVNI da fazenda tem uma "névoa" acima e à direita dele, o que é visível nas quatro tomadas.

Na quarta foto, nota-se que, sem querer, a regulagem de distância da máquina estava ótima para a focagem do OVNI, e por isto mesmo ele é visto em sua perfeita forma esférica, o que foi uma grande sorte.

A fazenda estava à cerca de 500 metros de mim, e acredito que o OVNI há uns 200 ou 300 metros.

Foi realizado um tratamento nas fotos com o programa Corel Photo Paint, de modo a clareá-la, aumentar os contrastes, reduzir as granuções e a evidenciar melhor a forma do OVNI.

Notar seu deslocamento pelo céu - coisa que eu teria notado se ele estivesse visível: por exemplo, na foto 2, marquei a "posição 1" onde ele estava na foto 1 e ele já na nova posição no céu, e assim sucessivamente.

Se notarmos, da foto 1 para a foto 2 o objeto pareceu se aproximar mais do lugar onde eu estava. Esta região da cidade é um lugar que parece atrair este tipo de fenômeno, e eu mesmo já registrei pelo menos 6 ocorrências ocorridas desde meados do século passado.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

PENSAMENTOS DE UMA TARDE DE QUARTA-FEIRA CALORENTA (by V-Newton)

.
É melhor ser inteligente que  ser esperto, mas é melhor ser esperto que ser burro.
#
Desgraça de bêbado é muro chapiscado.
#
Soltar um pum dentro do elevador é como mergulhar: você tem que prender a respiração.
#
Repare: a desordem alfabética do teclado.
#
O estivador, ao contrário do brocha, anda com o saco em cima da cabeça.
#
O orgão mais musculoso nas mulheres é a língua. Exercitá-la é a sua principal ginástica.
#
Desgraça de minhoca é formiga assanhada.
#
Se as flores carnívoras fossem vegetarianas, seriam canibais.
#
Mulher falsa é aquela que nos largou para ficar com outro homem. Mulher verdadeira é aquela que largou outro homem para ficar conosco.
#

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

LUDITAS ÀS AVESSAS!!!...



Neste ano, 2012, está fazendo 200 anos que os revoltosos conhecidos como luditas fizeram uma série de destruições de tecelagens em Nottingham, na Inglaterra, entre fevereiro e março desse ano. Em plena era da Revolução Industrial, quebraram máquinas e depois incendiaram os edifícios. Mas, afinal, quem foram os luditas? Pois bem: o ludismo foi um movimento que ia contra a mecanização do trabalho, surgido com o advento da Revolução Industrial. Adaptado aos dias de hoje, o termo ludita se refere à toda pessoa que se opõe à industrialização intensa ou mesmo à novas tecnologias, como este que vos escreve... Este movimento social é hoje conhecido como o neoludismo. Um exemplo de um autor que se identifica com esta designação é Kirkpatrick Sale, que escreveu o livro "Rebels Against the Future" ou Movimento Operário. Segundo os luditas, por serem mais eficientes que os homens, as máquinas tiravam seus trabalhos, requerendo, contudo, movimentos operários e duras horas de jornada de trabalho. E, curiosamente, a mesma revolta (sem tal violência, mas com  mesma gravidade) não se deu com nossos cortadores de cana com o surgimento das colheitadeiras mecânicas, que dispensaram a mão-de-obra da classe?!... (na ilustração, Ned Ludd, o líder dos Ludistas, gravura de 1812)
E já que estou falando de tecelagens, gostaria de dizer à meus amigos que meus pais – os jovens e belos conhecidos como Walter Daltro e Maria de Lourdes Rocha –, eram funcionários de uma mesma tecelagem, a "Textil São Antonio", hoje demolida, que ficava na Avenida Leme, Nº 80, de propriedade de Armando Lagazzi. Meu pai trabalhou ali entre 1951, aos 14 anos, até 1957, e minha mãe na mesma época – ela, como tecelã e ele como contador no escritório da empresa. É oportuno lembrar que, tempos depois – creio que no final da década de 90 –a tecelagem encerrou suas atividades, e na década seguinte ocorreu um estranho incêndio ali, e não se sabe de origem criminosa. Vale dizer – modéstia às favas – que sem a existência desta tecelagem – onde meus velhos se conheceram e se enamoraram –, este que vos escreve talvez não existisse!... (na foto, acima e à direita, a tecelagem em 1980)

Bem lembrado, é oportuno dizer que também, há exatos 155 anos atrás, no dia 8 de março de 1857, nos EUA, os patrões e a polícia trancaram as portas de uma tecelagem e depois atearam fogo, matando 129 operárias carbonizadas! Daí, caso não saiba, surgiu o Dia Internacional da Mulher!

Curiosamente, também exatos 200 anos depois do quebra-quebra dos luditas ingleses, em 4/04/2012, a Prefeitura Municipal de Araras aprovava o projeto para a construção de um novo edifício na cidade – o imponente "Vitrallis - Premium Residences", edifício que, por ironia do destino, vai se situar exatamente no mesmo local onde se erguia a extinta Textil São Antonio, onde, repito, a pombinhos apaixonados Daltro & Rocha uniram seus corações!...

À esta altura, meu leitor deve estar matutando aí: "Mas aonde esse danado do Wenilton quer chegar?!" Pois bem: é que dói ver uma tecelagem linda como era a São Nicolau encerrar suas atividades, pegar fogo e depois ser demolida – que ela era, de certo modo, um lugar sagrado para mim, cidadão extremamente preocupado com a preservação de nosso edifícios históricos ou antigos. Se situava a São Nicolau na espinha dorsal de Araras onde se alinharam e conviveram Daltros e Rochas desde o final do século 19 até o final do século seguinte. Daltros moraram ao longo da "Antiga estrada para Leme" (hoje Avenida Maria Muniz Michielin e Avenida Leme); Daltros construíram a Usina Palmeiras – meu paraíso extinto onde moramos na melhor época de nossas vidas!; Rochas moraram na mesma estrada, na fazenda Montevidéo, onde meu avô Francisco Rocha fora feitor, e meus tios – e minha mãe! –, nasceram! Meu avós Rocha, depois, moraram na rua Lacerda Franco, que vai desembocar exatamente na Avenida Leme. Meu pai, antes de mudarmos para esta usina, teve uma leiteria na rua Albino Cardoso, que forma uma bifurcação com a Lacerda Franco. Como se vê, por gerações e gerações, Daltros e Rochas se deslocaram e conviveram nesta importante espinha dorsal que era a principal via da Araras antiga por boa parte deste período.

Mas, se posso falar em luditas modernos – e não estou se referindo à mim –, ou melhor, em uma espécie diferente de ludista: luditas "negativos", luditas ás avessas, diria que são os capitalistas chineses! No caso, são os verdadeiros responsáveis pela ruína de nossas tecelagens! Sim, a onipresente China capitalista e sua competição selvagem desonesta!

Mas a coisa não parou por aí, pois há outras espécies de luditas às avessas nesta cidade, como, p. ex., certos empresários do ramo imobiliário, que mal vêem um terreno baldio, uma empresa fechada, uma casa antiga ou um casarão centenário, e dirigem para eles toda a sua sanha e cobiça imobiliária, fazendo tabula rasa de tudo! E nisto se inclui também os proprietários desses imóveis, que detestam tudo o que é antigo, não importa a história que há por detrás deles! E nisto, amigos, quanta coisa linda e de extrema importância histórica se perdeu! Araras já foi a terra de dezenas de tecelagens (e quanto casais ararenses não nasceram aí!), de inúmeras fábricas de mandiocas e de olarias sem fim! E onde foi parar toda essa maravilha? Não vou comentar aqui.

Ah, aquele pequeno trecho de rua em frente à Textil São Nicolau, quanto frequentei e quantas histórias vivi ali, eu, meus irmãos e amigos! Ali, aos 5 anos, fui ao circo pela primeira vez e ouvi todo feliz pela primeira vez a canção "Datemi un martello" com a sensação da época, a cantora Rita Pavone! Nesta mesma época, ali também, ouvi deslumbrado pela primeira vez o "martelar" incessante de uma velha araponga que ficava numa gaiola do posto do Henrique Volpi! Ali também o bar do velho Espica, onde tantos doces comprei e tantas caronas para a Usina pegamos ao sair mais cedo da escola! O último ponto de ônibus da Usina dentro da cidade, que nos recolhia ali todo final de tarde!

E eu fico pensando em todas estas maravilhas e seu melancólico final... e perguntas teimosas vem martelar minha inquieta cabeça: Até quando esses luditas às avessas vão destruir tudo? Quais serão seus próximos alvos? Como lutar contra eles? É quando me vem à cabeça a velha sentença do Caetano Veloso, que dizia da "força da grana que ergue e destrói coisas belas"!... Não, eu não me conformo, nunca me conformarei, e enquanto existirem luditas às avessas nesta cidade, haverá este "ludita positivo", o neoludita Wenilton, que com sua pena combaterá ferrenhamente para preservar nossas coisas belas que a maldita "força da grana" destrói sem piedade!

FONTE:
http://www.vitrallis.com.br/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ned_Ludd
http://www.abrazrj.com.br/index.asp?pageURL=48&NOticia=5&sector=0